5 dicas para uma transição mais eficiente no Triathlon

Para poupar tempo durante as provas, os atletas devem treinar a transição pelo menos uma vez por semana

Apesar do Triathlon ser composto oficialmente por três disciplinas – Natação, ciclismo e corrida – a quarta disciplina é um grande diferencial para os triatletas mais velozes: a transição.

A transição consiste na troca de modalidade em uma competição de Triathlon. Usualmente, há duas transições, a T1 e a T2. Na T1, os atletas saem da natação, passam pela área de transição, pegam suas bikes e saem para pedalar. Já na T2, os atletas chegam com suas bicicletas, calçam o tênis e saem para correr.

Quanto menor a distância do Triathlon, maior a importância relativa da transição no tempo total do evento. Nas etapas do Circuito Nacional Sesc Triathlon, os atletas completem nas distâncias Sprint (750m de natação, 20km de ciclismo e mais 5km de corrida) e Olímpica (1500m de natação, 40km de ciclismo e mais 10km de corrida). Em ambas, o ajuste fino da quarta modalidade pode fazer a diferença no resultado final. Por isso, preparamos algumas dicas para transições mais eficientes:

1.    Caso seja permitido o uso da roupa de neoprene, comece a tirá-la assim que se levantar da água. À medida que você corre para a T1, tire as mangas e desça a roupa até a cintura, o que facilitará sua total retirada. A aplicação de produtos lubrificantes por baixo da roupa, além de prevenir assaduras, pode ajudar na hora da retirada

2.    Deixe suas sapatilhas na bike e somente calce-as quando já estiver pedalando. Após subir na bike, pedale um pouco e calce um dos pés. Depois, pedale mais um pouco e calce o outro. Fique atento com o fluxo de outros atletas e lembre-se que você precisa estar com as sapatilhas calçadas antes do fim da primeira volta.

3.    Treine correr com sua bicicleta e treine afivelar o capacete durante seu dia a dia. Podem parecer atos simples, mas geram perda de tempo e muita confusão durante o calor das competições.

4.    Deixe sua alimentação e hidratação na bike. Se você pretende consumir algum alimento na prova, é melhor consumir no ciclismo, assim você não perde tempo se preocupando com esses itens na transição. O ideal é deixar tudo preso na bike. Se preferir, deixe os óculos dentro do capacete. Ao chegar à T1, coloque o capacete e, então, pegue sua bicicleta (na qual já estarão suas sapatilhas, alimentação e hidratação). Lembre-se: você não pode tocar na bike antes de afivelar o capacete e não pode pedalar dentro da área de transição, sob pena de penalização.

5.    Utilize cadarços de elástico em seus tênis. Assim, ao chegar da bike você simplesmente puxa a língua do tênis para calça-lo, sem necessidade de nós no cadarço. Em provas curtas, a maioria dos atletas corre sem meia, por isso, alguns preferem passar lubrificantes dentro do tênis antes da prova.

Assim como qualquer esporte, uma boa transição depende de treino e dedicação. Muitos atletas gostam de mentalizar a transição nos dias anteriores da prova, tornando automático em sua mente tudo o que farão durante as trocas de modalidade. O ideal é dedicar pelo menos um dia na semana para praticar a transição.

 
Apoio Institucional
Realização